“Berço-a-Berço” a próxima revolução industrial

O atual modelo de produção é chamado ”berço-a-sepultura”, pois quando os produtos são criados não se planeja o que acontecerá quando se tornam obsoletos. Ou seja, eles se tornam poluentes porque seus materiais dificilmente serão reaproveitados devido, principalmente, a dificuldade de desmontagem e reutilização de material. Desta forma os produtos ao se tornarem obsoletos vão para aterros e lixões.

No conceito berço-a-berço (cradle to cradle) os produtos e seus componentes devem ser planejados para, ao final de seu uso, serem reutilizados com suas propriedades não desgastadas, isto é, com nutrientes biológicos e não como poluentes.

Embalagens que hoje ocupam espaço em aterros podem ser projetadas de maneira biodegradável com nutrientes biológicos para serem utilizadas e devolvidas com segurança ao meio ambiente, para alimentar sistemas vivos ou até adubar a agricultura.

O planejamento berço-a-berço oferece uma estrutura onde os ciclos efetivos e regenerativos da natureza proporcionam modelos para projetos humanos totalmente positivos. Dentro dessa estrutura podemos criar economias que purifiquem o ar, terra e água; que dependem da receita solar e não gerem nenhum resíduo tóxico; que utilizem materiais seguros e sadios, reabastecendo o planeta e sendo eternamente reciclados, e que gerem benefícios que realçam toda a forma de vida.

Eng. Francisco B. de Paola