Fertilizar o oceano para evitar o aquecimento global

Para diminuir o dióxido de carbono (CO2) presente na atmosfera, cientistas chegam a medidas extremas como fertilizar os oceanos. Nas ultimas semanas, um navio de pesquisa alemão carregado com 20 toneladas de sulfato de ferro partiu em direção à Antártica, com o objetivo de injetar o material no fundo do oceano. O objetivo é incentivar o crescimento das algas nesta região para que capturem mais CO2 na atmosfera e assim, mitiguem o aquecimento global.

Ambientalistas do mundo inteiro protestam contra este experimento, pois acreditam que ele pode ser devasto ao meio ambiente, uma vez que poderia ocasionar uma elevação na taxa de decomposição do fito plâncton. Além disso, ainda não existem provas concretas sobre a eficiência de tal medida para o clima e nem mesmo das conseqüências para a biodiversidade marinha.

Se o experimento vai evitar o aquecimento global ou se vai destruir a vida marinha, ainda não sabemos, mas temos certeza que o excesso de dióxido de carbono que atualmente é lançado para a atmosfera resulta da queima de combustíveis fósseis principalmente pelo setor industrial e de transporte. Além disso, reservatórios naturais de carbono e os sumidouros (ecossistemas com capacidade de absorver CO2) também estão sendo destruídos por ações humanas.